A Lenda da Cavera Beetle

Em meados do século XIX em uma província da Dinamarca, havia uma pequena povoação chamada Elsimore, rodeada de carvalhos, sobreiros, pinheiros e bétulas. Nesse lugar, vivia um lenhador chamado Dan e a sua pequena família: sua esposa Helga e sua filha Aneka.

Eles viviam em harmonia com seus vizinhos e eram muito respeitados por todos. Dan trabalhava como lenhador em um bosque um pouco distante da povoação, e a pequena Aneka o acompanhava todos os dias para brincar durante a rotina do pai.

A sua esposa sempre o alertava para que tivesse cuidado com a criança, pois haviam muitos animais perigosos pelo bosque. Porém Dan, sempre muito seguro, contestava dizendo que isso era bobagem e que não era preciso se preocupar.

Um dia ao terminar seu trabalho, Dan foi ao encontro da filha para regressarem a casa, mas não a encontrou onde ela costumava estar, nem em outros lugares que a sua vista conseguia alcançar.

Desesperado, foi em busca da pequena pelo bosque, sem notar que a noite se aproximava com seus perigos. Andou durante horas, mas não obteve sinal de Aneka.

Em casa, Helga sem imaginar o que havia ocorrido, preparava o jantar feliz a cantarolar. No entanto, com o passar do tempo, ela começou a se preocupar com a demora incomum do marido e da filha. Com o avançar das horas, achou melhor reunir alguns amigos e vizinhos e sair à procura dos desaparecidos.

O grupo percorreu o local onde Dan costumava trabalhar e os seus arredores, mas foi em vão, não encontraram nenhum rastro deles.

Passaram-se meses e anos, até que um dos amigos do casal que também era lenhador, se deparou com um esqueleto totalmente tomado por besouros, muito distante do bosque, e logo acreditou que poderia ser Dan.

O lenhador relatou a descoberta para Helga, que em profundo desespero partiu com ele em direção ao bosque. Enfrentaram a neve que caía sem parar, na esperança que tudo não passasse de um engano.

Quando chegaram ao local indicado, para a surpresa deles, encontraram apenas um machado com o nome Dan gravado no cabo, preso nos ramos secos entre árvores e arbustos. Assustados, voltaram para casa sem entender o que havia acontecido.

Sem se conformar com a situação, Helga pediu ao amigo lenhador que juntos verificassem mais uma vez o lugar onde foi encontrado o machado, acreditando que os ossos pudessem ter sido arrastados por algum animal noturno para outro lugar. No dia seguinte, seguiram para o bosque intensificando as buscas pelos arredores, mas não tiveram sucesso.

No caminho de volta para casa, a neve que caía transformou-se em uma nevasca, ao procurarem por um abrigo, encontraram uma pequena cabana abandonada nos limites do bosque. Ao entrarem descobriram que o local era uma antiga barbearia repleta de teias e besouros, onde permaneceram, mesmo com muito medo.

Enquanto o amigo procurava lenha seca para acender a lareira e aquecê-los, Helga ouviu um barulho vindo dos fundos, criou coragem e seguiu em direção ao som.

Ao chegar em certo ponto da casa deparou-se com um esqueleto, com dois besouros cravados nas órbitas vazias do crânio que ocupavam o lugar dos olhos. Ele gesticulava como se quisesse dizer algo que ela, petrificada de terror, não conseguia entender.

O amigo lenhador, ao voltar com a lenha seca, encontrou Helga completamente assustada, e também entrou em pânico ao ver o esqueleto. Os dois correram dali sem sequer pensar no frio que estava lá fora.

Reza a lenda que essa cabana passou a ser habitada por um homem, de aparência esquelética com longa barba grisalha, que prestava serviços de barbearia atendendo nômades corajosos que passavam ali por acaso. Esse barbeiro estava sempre acompanhado de uma menina que acreditavam ser sua filha, mas nada nunca foi comprovado. Nunca foram encontrados o esqueleto de Dan e nem o corpo da sua filha. Ninguém sabe dizer o que aconteceu, esse caso muito comentado por todos os habitantes daquela povoação, ficou conhecido como a Lenda da Cavera Beetle - o esqueleto com besouros no lugar dos olhos. Nessa lenda ficou um enigma, seria o barbeiro e sua filha, o lenhador Dan e a pequena Aneka? Se sim, por que nunca voltaram?